Arquivo de Março 2008

Crónica 8

31 Março, 2008

Apetece-me abanar-te… Sim, estou num modo violento hoje… Tenho vontade de te dar um estalo ou qualquer coisa que te faça acordar, que faça voltar a ti o Filipe que conheço. Aquele que não se vestia de luto… Se ele está aí dentro adormecido, por favor engole um despertador, sim? Daqueles que não se calam até uma pessoa os mandar contra a parede (se precisares mando-te um por correio junto com a próxima carta).

d-orsay-clock3.jpgEu não fui ter contigo porque não quis nem consegui. Estavas à espera do quê? Que te desse dois beijinhos, perguntasse como vai a vida e a seguir virasse costas? Ou que ficássemos feitos estúpidos a olhar um para o outro no meio de um silêncio constrangedor? Eu não aguentava nenhum deles. Só se soubesse que havia a possibilidade (com cerca de 200% de probabilidade, não suportava menos) de voltar a falar contigo como antigamente.

Dás-me a volta à cabeça, Filipe, ainda não percebeste isso? Desde a primeira carta que mal durmo, mal como (e eu nunca fui muito de fazer nenhum deles, imagina agora). Tinha uma possibilidade de uma relação com um colega de trabalho de quem até gostava, mas chegaste tu e lembrei-me de que “gostar” não chega. Dei-lhe tamanho chuto no rabo que acho que ainda hoje lhe dói, coitado.

Ainda me afectas como afectavas antigamente… Não posso dizer que se voltasse atrás mudava tudo, porque não podia mesmo. Mas gostava que não tivesse sido assim, gostava de poder ter continuado contigo. Não compreendeste na altura e acho que nunca vais compreender… Normalmente é o que acontece quando não se conhece toda a história… Mas peço-te que um dia tentes perdoar-me… Só o tentares já me fazia feliz…

Mariana *